DiversosGréciaA história da tocha olímpica... Você sabe

A HISTÓRIA DA TOCHA OLÍMPICA… VC SABE?

Os povos antigos acreditavam que o fogo foi enviado dos céus como dádiva divina.

Na mitologia grega, o fogo sempre teve caráter sagrado, pois  para eles, a história humana começa a partir da desobediência do titã Prometeu, que contrariou a ordem de Zeus, o deus supremo, e roubou os fogos dos deuses do monte Olimpo para dar aos homens, junto com as ciências e artes.

De todos os jogos da Grécia antiga, os Jogos Olímpicos eram os mais solenes e eram celebrados em homenagem a Zeus, maior divindade do Olimpo.

Os jogos Olímpicos originais destinavam-se a atiçar as chamas da adoração.

Surgiram como festividades religiosas em honra a Zeus, supremo entre os deuses do Olimpo. Segundo alguns registros, nos Jogos de 776 a.C., já estava instituído o ritual de acender a tocha. Uma tradição antiga que remonta às origens do revezamento da tocha era o envio de mensageiros a todas as cidades da Grécia Antiga, com a missão de anunciar a data de início dos Jogos. Junto com o anúncio era proclamada a trégua olímpica, que começava um mês antes do evento e se estendia até o fim das competições. Neste período, as guerras eram interrompidas para garantir o envolvimento de atletas e espectadores nos Jogos. Hoje, o trajeto também serve para anunciar que os Jogos estão chegando.

A tradição de manter um fogo aceso durante os Jogos remonta à antiguidade, quando se efetuavam sacrifícios a Zeus.

O imperador romano Teodósio “decretou que as festividades pagãs deviam cessar”. A Grécia, que na época fazia parte do Império Romano, obedeceu.

Tão irrevogável foi o tal decreto romano, que no decorrer dos séculos o local original dos jogos olímpicos ficou perdido e permaneceu desconhecido até o século XIX. Daí sua redescoberta deu origem ao desejo de reavivar a tradição olímpica, de modo que em 1896 foram realizados os “Primeiros Jogos Olímpicos Modernos” pelo Barão francês Pierre de Cobertin, sendo a Primeira Olimpíada Moderna em Atenas. O espírito de adoração a Zeus que as olimpíadas ostentaram por séculos desde 394 DC ficou esquecido, mas em 1896 ele despertou e passou a ser honrado por pessoas de todo o mundo. Ricos, pobres, celebridades etc. todos e até filhos de Deus (Theos) o reverenciam.

Nessas cerimônias, os sacerdotes acendiam uma tocha, e o atleta nu que vencesse a corrida até ao local onde se encontravam os sacerdotes, teria o privilégio de transportar a tocha para acender o altar do sacrifício.

Antes de cada Olimpíada é feito o ritual de acendimento da tocha nas ruínas do templo de Hera, na cidade de Olímpia, na Grécia. A técnica utilizada pelas sacerdotisas do templo para acender o chamado “fogo puro” requeria o uso da skaphia, uma espécie de espelho côncavo que converge a luz do sol em um só lugar. O rito simbolizava, então, a devolução do elemento divino ao deus mais poderoso para os gregos.

O ritual é conduzido por sacerdotisas de Hera vestidas de túnicas brancas no estilo grego.

As olimpíadas sempre tiveram o propósito de adoração, e este propósito não mudou! Quando os atletas correm no estádio em busca de uma coroa corruptível eles o fazem em honra a Zeus, mesmo que ignorem isto.

O ritual da tocha que percorre o mundo foi criado para estabelecer um elo entre os jogos da antiguidade e os jogos contemporâneos.

A chama olímpica representa a pureza da eterna juventude olímpica, a união entre diferentes nacionalidades, línguas, religiões e raças, (Adoração Ecumênica).

A Tocha Olímpica, com seu significado ancestral, foi reintroduzida nos Jogos Olímpicos de 1928, e faz parte das Olimpíadas Modernas desde então.

O percurso da Tocha Olímpica foi introduzido nos Jogos Olímpicos de Berlim 1936. Quando a tocha olímpica percorre o mundo ela leva os povos a honrar uma divindade pagã no lugar do Criador imanente.

Atualmente, a Tocha Olímpica é acesa vários meses antes da Olimpíada no local dos Jogos Olímpicos da Antiguidade, em Olímpia na Grécia. A olimpíada moderna é a maior festa idólatra do planeta.

Pr. Luiz Antonio

https://luizantoniooliveira.wordpress.com/2008/09/09/hello-world/