DiversosEvito beijar para cumprimentar

Turunah escreveu: “Eu admiro os orientais: saudações à distância, sem contato… nem mesmo aperto de mão”.

Os orientais fazem isso em respeito à esfera í­ntima de cada um, considerando tipo um campo energético que não deve ser invadido (sem permissão).

Poucas coisas me causam admiração na cultura oriental, mas essa eu aplaudo de pé.

Na maior parte do mundo, o beijo de bochecha não deve ser utilizado com desconhecidos.

Na América Latina, os beijos variam entre um e três e isso também depende da região e da pessoa em questão. Aqui no Brasil é complicado cumprimentar.

Em São Paulo as pessoas se cumprimentam com apenas um beijo. No Rio de janeiro dois, nordeste três. Enfim… a confusão está instalada quando se encontra amigos de outros estados; e sempre tem um coitado desavisado que fica no ‘vácuo’.

Em resumo, acho bem complicado cumprimentar estranhos no Brasil. Infelizmente não consigo escapar do beijo humano de pessoas que possuo pouca ou quase nenhuma intimidade. Pra mim é o mesmo que me afogar numa piscina! Não gosto e pra mim é bem desconfortável. Evito e faço o possí­vel para escapar.

Pessoas altamente cinestésicas gostam de bastante contato físico. Eu não.

Inclusive no teste das cinco linguagens do amor, o ‘Toque Físico’ ficou em último lugar da categoria.

Na minha opinião, um aceno, ou no máximo um aperto de mão,  já seria mais que suficiente!

Beijo só no cônjuge, familiares e amigos muití­ssimo í­ntimos!

A sociedade precisa entender que existem pessoas que se esquivam de beijos e abraços mas não fazem isso por mal. E não há nenhuma birra pessoal nisso, simplesmente sentem-se tolhidas em sua liberdade e simplesmente fogem do desconforto.