Pulseiras de identificação e crachás personalizados para crianças ou pessoas com limitações.
Um dos maiores medos de todos que têm filhos: perder a criança em um local público. Quem já passou por uma situação assim, sabe quão desesperador é! Por mais que você não tira o olho, não descola… em uma fração de segundos: Páh! Pode acontecer…

Seja no verão, nas praias lotadas, shoppings, cinemas, shows, feiras livres, viagens ou qualquer lugar muito aglomerado é fundamental identificar a criança. Para tranquilizar papais e mamães e não estragar nenhum plano ou sonho de viagem, existem algumas formas de identificação com custo baixo e cumprem sua função de forma simples.

Mas não são apenas crianças que precisam receber um método de identificação.
Pessoas com:
– Deficiências neurológicas
– Alzheimer
– Epilepsia
– Alergia alimentar
– Autismo

Devem fazer parte do grupo pela atenção dos cuidados necessários.

Bem, eu já usei diversos métodos. Os mais eficazes e baratos que encontrei e nunca me deixaram na mão foram esses: Pulseira plástica personalizada e crachá.

– Crachás
Uma ótima opção que sempre uso nas viagens. Mando fazer um crachá de pvc na copiadora. Fica bem bonito, com desenho e o nome da criança personalizado na frente. Na parte de trás, coloco os dados: Nome do responsável, telefone, endereço do hotel, etc.

– Pulseiras plásticas
Geralmente em lojas de produtos hospitalares, compro aquelas pulseiras para maternidade. Com uma caneta de retroprojetor, escrevo o nome da criança e um telefone de contato. Também dá pra mandar fazer em uma copiadora, uma cartela de adesivos auto-colantes e fixar nas pulseirinhas.

– Pulseira de metal
Comprei num site da china (Aliexpress ) uma pulseira de couro com uma placa de metal em cima. Levei para gravar em um afiador de alicates de unha.

Existem diversas opções na internet. Se escrever “Pulseiras de identificação” no google, aparecerão diversas lojas especializadas. Não há desculpas para não se prevenir. A pulseira não vai resolver se houver pessoas más intencionadas, pois não é um chip com GPS, mas já ajuda muito, para a localização de uma criança perdida. Enfim, mamãs e papás, digo-lhes que sem baixar a guarda, é um alívio grande para nós.

Desde 2006, o projeto Anjos do Verão facilita o reencontro entre crianças perdidas em Praias do litoral paulista. De lá para cá, já foram mais de 1200 reencontros. Essa ideia que começou em SP, já se espalhou por várias praias do litoral brasileiro, principalmente Santa Catarina.
Com o slogan “Bata Palmas para esta ideia”, o projeto propõe que, quem encontrar uma criança perdida, fique parado no local com a criança e faça um sinal sonoro, como falar o nome da criança e bater palmas. Cada pessoa que ouvir o sinal, deve passá-lo adiante. Em algum momento, o sinal chegará aos ouvidos dos responsáveis pelo pequeno
O trabalho no projeto é voluntário, e conta com a ajuda da família e de amigos. Nessas praias, bombeiros, policiais e guarda-vidas, sempre que encontram uma criança perdida, a levam até os voluntários para que as palmas comecem.

👉🏽DICAS para ajudar uma criança perdida a se reencontrar com seus pais:

1) Em primeiro lugar, tente acalmar a criança. Ela provavelmente estará nervosa e com medo. Mais calma, ela poderá te passar maiores informações sobre ela, como seu nome e os nomes de seus pais. Se for uma criança um pouco maior, com 6 ou 7 anos, ela poderá te contar maiores detalhes, como com quem e onde estava antes de se perder.

2) Evite se locomover com a criança. Como os responsáveis devem estar procurando por ela, muitas vezes deslocamentos só dificultam o reencontro. Caso a criança saiba te dizer onde se perdeu, se o local for próximo, vá até lá e espere. A chance do responsável retornara esse local é grande.

3) Se a criança souber o número de telefone, fique onde está e entre em contato.

4) Se houver um alto-falante, peça para anunciar a criança perdida. Em geral, locais como supermercados ou shoppings têm alto-falantes. Chamar pelos responsáveis da criança pode ajudar no reencontro.

5) Se você estiver em um local público, sem alto-falante, e sem maiores informações sobre os responsáveis pela criança, o melhor a fazer é identificar uma “autoridade” local, como um posto policial, um posto de bombeiro, ou um posto de saúde. O melhor a se fazer é ir ao local e esperar. É provável que o responsável pela criança procure esse local.

6) Se não houver uma autoridade local onde você está, fique onde está e peça ajuda. Os números de emergência são: Policia 190 e Bombeiros 193.
Lembre-se: acalmar a criança e fazê-la se sentir segura é muito importante.

👉🏽De acordo com a Polícia Militar: “O que fazer ao constatar o desaparecimento”?

– Ligar para o 190 da Polícia Militar, descrevendo as características da criança ou adolescente e o local de onde ela desapareceu;
– Registrar um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia Civil mais próxima ou pela internet;
– Levar fotos atualizadas e o maior número de dados sobre a criança desaparecida;
– Antes de fazer a comunicação é importante já ter procurado em locais como trabalho, casa de amigos, hospitais e Instituto Médico Legal (IML);
– É importante fornecer todos os telefones para contato, pois nenhum boletim referente ao desaparecimento de pessoa é emitido sem a entrevista telefônica feita por um policial com o requerente;
– Em caso de reaparecimento, obrigatoriamente, deve-se comunicar o encontro à Delegacia Eletrônica, na opção “Encontro de Pessoa”.

#Pulseiras #identificacao #cracha #pulseirasdeidentificacao
#criancas #crianca #idosos #filhos #criancaperdida #pais #pai #mae#alzheimer #autismo #epilepsia

#endereco #identificar #localpublico#lugarpublico #identificacaoinfantil #mundoinfantil #papaiemamae

#prevencaoaodesaparecimentoinfantil