Educação e Família

Há muito tempo gostaria de contar um pouco sobre a minha experiência de parto! Mas a vida de mãe é um tanto atarefada e meus afazeres com s Bia consomem o meu dia! Mas ontem quando recebi esse vídeo da maravilhosa @nathalie, revivi toda a emoção do parto!

O meu amor pelo parto normal vem de berço, antes mesmo de eu ser da área da saúde! Minha mãe teve experiência com os 2 partos e preferiu o parto normal; minha irmã mais velha também! Sempre achei mais fisiológico e normal como o nome já diz! Acredito muito nisso, nossas escolhas são fruto da nossa vivência cultural, bagagem familiar e experiências positivas na vida! Na faculdade de fisioterapia tive um professor obstetra que consolidou o amor pelo parto normal. E no final, como pediatra e neonatologista, o parto normal virou decisão consciente, se possível, por acreditar ser mais fisiológico para os pequenos também! Durante o meu pré-natal deixei sempre muito claro que minha 1ª escolha seria o parto normal, caso tudo transcorresse bem, mas se diante de qualquer risco, materno ou pediátrico, a mudança para o parto cirúrgico, cesárea, seria aceita sem nenhum problema! Nunca fui xiita do parto normal a todo custo, apenas para me achar a mulher maravilha, ou mais mãe por ter tido um parto natural 😏!

Então, preferência de parto de lado, vamos ao meu relato!

Em 01/12, um domingo, cheguei de um plantão de 12h (sim, eu trabalhei até a véspera do parto) e fui me deitar com vários planos de organização da casa, de descanso naquela semana e compras para me preparar em receber a filhota, a final, iria iniciar a 39ª semana de gestação e seria a 1ª semana de folga do trabalho!

Pois bem, nada feito…naquela madrugada senti minha bolsa romper, mas sem nenhum sinal de contração rítmica! Estava tranquila e sabia que ainda iria demorar, mas ao mesmo tempo, me preocupei com os preparativos. Me levantei às 3:00 da madrugada e fui ajeitar as coisas: lavar o cabelo que estava sujo, preparar absorventes de camomila pro pós-parto e comidinhas para levar pro hospital!

Mandei mensagem para minha obstetra, Dra Alice, que estava no hospital em um partinho da madrugada, como de costume (kkkk), e me orientou a fazer exercícios (agachamentos), como já estava agendado para realizá-los as 8:00h na praia, na tentativa das contrações iniciarem espontaneamente! Coloquei uma calcinha absorvente e assim fui de fralda (rs) para a praia num dia ensolarado e lindo!  Estava plena com minha barrigona, realizada de ter tido uma gravidez maravilhosa, de ter chegado até o final e ter fugido do parto prematuro (na minha especialidade, é sempre uma assombração)! Fiz os agachamentos com a tia Rafa, personal que me acompanhou durante todo o pré-natal! Agachei, subi, desci, corri e nem sinal de Bia! Viny pleno, foi trabalhar como se nada tivesse acontecido (rs, sim, eu tenho um marido desnaturado, ou talvez, eu transmita tanta calma que ele comprou a ideia de que só restava esperar)!

Retornei da praia e nada tinha acontecido, avisei Alice e ela combinou de me examinar dentro de 4h! Viny me levou ao consultório e para a tristeza geral da nação, eu estava com mísero 1 cm de dilatação e um colo favorável! Portanto iniciávamos naquele momento a tentativa de indução do parto, já que aconteceu como eu não planejava: bolsa rota sem trabalho de parto (já imaginava o antibiótico venoso profilático para mim e as temidas coletas de exame de sangue seriados na Bia 😭😭)! Preferi a intimidade da minha casa do que o hospital! Depois de 2h de indução, as contrações iniciaram fracas mas perceptíveis! Almocei na casa da minha mãe e guardei segredo de tudo que estava acontecendo para mim e viny! Queria poupar minha família de preocupações! Estava exausta da madrugada e me deitei, em meio ao intervalo entre uma contração e outra, eu cochilava, já que ainda eram fracas! Depois de 3h de indução, a dor começou a apertar e num dado momento, vomitei tamanha era a dor! Liguei para Cris, doula, e fomos para o hospital! Lá, Alice iria me re-examinar! Pegamos o horário de rush em plena segunda-feira as 18:00h. A reta da Penha parecia interminável, as contrações eram mais fortes (a cada 2-3 min, uma contração), a cada remelexo do carro eu sentia! Diante da minha dor, eu jurava q eu estaria com uns 5 cm de dilatação do colo! Quando Alice me tocou, meu mundo caiu, estava com apenas 3 cm de dilatação 😭😭! Eu sabia que o bagulho era punk, mas a gente sempre acha que seremos uma candidata do parto à jato! (Rs…sonho meu)

Respirei fundo e mentalizei o final do meu sonho! Para mim, nada foi fácil na vida, mas sempre persisti naquilo que acreditava, até o fim, e no parto, não seria diferente! Eu tinha feito minha parte, me preparei com atividade física constante (coisa que não fazia há 10 anos), fisioterapia pélvica e um bom pré natal! Sabia que seria possível chegar até o final. Para a execução do parto, além da clínica favorável, é necessário também ter foco e fé.

Assim iniciávamos o trabalho de parto (e eu achando que estava no final)! Bora andar até o infinito, subir escadas, agachar como se não houvesse amanhã e muita água quente no lombo para aliviar!

A dor era forte e lá embaixo! Lá pelas 22:00h pensei: “fiz um bom trabalho e estou quase Lah”! Não minha gente, ainda estava com 5 cm de dilatação! Nessa hora pensei na analgesia e Dra Alice tb me propôs. Mas, logo eu? Eu que sempre fugi de anestesia (tenho medinho)! E além disso, achava que com a anestesia, eu iria atrasar o processo; eu queria logo conhecer o rostinho da minha Princesa! Resolvi trilhar a 2ª opção, caminhar mais e subir mais escadas e me dar mais uma chance! Nesse momento eu já estava exausta, afinal de contas, estava acordada desde 3:00 da madrugada.  Porém, Deus é bom, meu trabalho não foi em vão! Em 2h tinha saltado de 5cm para 10 cm! O tão sonhado 10 (dezzzz)! Alice retirou o colo anterior que estava segurando a descida da Bia (meu Deus 😱, que dor) e finalmente as 00:30h fui para a sala de parto humanizado!!!!! 🎊🎊

A dor já era tão grande que já fazia parte de mim, tinha acostumado com ela, não conseguia mais raciocinar, chorar … eu só queria q chegasse logo o fim! O percurso do quarto até a sala de parto era pequeno mas durou uma eternidade pois toda hora eu agachava com uma contração, minuto a minuto! O tempo tinha parado, parecia que só existia contração, a gente realmente perde a noção do tempo!  Durante o caminho lembro que reclamei que não havia me maquiado e meu melasma iam aparecer nas fotos! Pedi a Nathie para fazer um bom e velho Photoshop (rs)! Lembro que cheguei a pedir para buscarem minha bolsinha de maquiagem no quarto, mas quem disse que consegui me maquiar, só sabia sentir contrações! 🙄🙄

Sentei na banqueta e tentava me concentrar na força correta e Viny sussurrava no meu ouvido: “Mozão vc é raiz, não é nutela, vc vai conseguir” (Rs)! Ele sempre fazendo graça, num momento punk, mas dessa vez não conseguir arrancar risadas de mim, só gemidos! Mas vale ressaltar o apoio que ele me deu, do jeitinho dele! Esteve ao meu lado forte, como um porto seguro o tempo inteiro, achei que por ele não ser da área da saúde, iria fraquejar, mas não! Ficou firme e ao mesmo tempo transmitia serenidade, sempre rindo e acreditando em mim!

Meu período expulsivo demorou 1h! Alice falava que ela estava ali embaixo, mas para mim era estranho, não conseguia sentir, não sabia se estava fazendo a força certa, dava medo de fazer a força pois meu corpo incontrolavelmente tentava expulsar, não sei…. pouca memória desse momento de tensão! Alice me falou: está bem pertinho, não briga com ela e faça força de expulsão, deixa Bia vir! Foi aí que criei coragem e comecei a empurrar e já imaginando minha amada filha em nossos braços! A dor era imensa, não tinha posição e nem dava para pensar, pois logo vinha outra dor forte! Eu achava que lidava bem com a dor, até porque já tive 3 crises de cálculo renal, a diferença é que no cálculo vc é medicada constantemente e no parto a dor é combustível, é necessária para receber seu filho em seus braços e não pode ser mascarada, tem que ser sentida!

A natureza é perfeita, Deus preparou a mulher para suportar a dor do parto! Não desesperei e não gritei, me concentrei na expulsão dela! Tanto que nem percebi direito que eu estava conseguindo, até que Bia nasceu de repente pequitita as 01:25h! Eu com olhar assustado pq não tinha chorado! Mas em segundos ela soltou a secreção que prendia em sua boca e chorou! Que alívio (para a mamãe pediatra e para Tia Sarah …kkk) , que emoção desse momento! Ter minha filha perfeita em meus braços chorando, foi um momento sublime, obra de Deus! Eu repetia que ela era branquinha, estava encantada com seus olhinhos escuros arregalados para mim! Após o tão desejado choro, ela se acalmou em meu colo, ficou quietinha olhando para mim! Viny cortou o cordão umbilical e a placenta logo desceu! Eu não acreditava que tinha conseguido, que minha filha estava conosco cheia de saúde! Agradeci a Deus e a equipe por tudo que me proporcionaram! Ela foi tão desejada, planejada e sonhada, um milagre de Deus que nunca vamos esquecer que Ele pode e quer realizar nossos sonhos! Uma benção de Deus! Eu, Bia e papai ficamos por muito tempo coladinhos, fazendo a hora ouro. Bia logo procurou meu seio e mamou muito na sala de parto, pele a pele comigo! Para minha surpresa nasceu menos do que esperava pela ultrassom, 2745g e 47,5 cm!

O parto normal nem sempre é rápido, o meu durou 13 horas e meia de trabalho de parto real e oficial e 22h de bolsa rota!

O parto normal exige entrega e confiança em Deus e na equipe! Acima de tudo, o parto é a alegria de trazer ao mundo o seu bem mais precioso da sua vida! Se eu teria um novo parto normal? Com certeza sim, mesmo com toda a dor viveria tudo outra vez!

Impressionante como 2 meses depois é difícil mensurar a dor, pois vc esquece e só fica o sentimento de felicidade de ter seu filho nos braços! E Bia foi assim, como o significado real do seu nome, ela nos trouxe muita felicidade e alegria com toda a sua esperteza!

Essa foi a mais linda jornada de amor, fé e entrega de nossas vidas! Hoje depois de 2 meses e meio desse grande dia, estou aqui amando cada segundo dessa fase cheia de desafios e coragem, bem vinda maternidade! Descobri minha melhor função no mundo: ser mãe! Amo vocês, minha família!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário