DiversosSou contra as olimpíadas no Brasil

“Olimpíadas” no Brasil.

Olimpíadas chegando, povo ouriçado, comitês a todo vapor…

Mas meu  coração está longe de fazer parte desse alvoroço. E vou explicar o motivo.

Se o país candidato não for considerado um país DESENVOLVIDO, não pode concorrer à vaga de Olimpíadas, Copa do mundo e nem PAN. Simples assim. Pasmem senhores, mas o Rio de Janeiro, a nossa cidade-sede das olimpíadas 2016 disputou a indicação com Chicago,Tóquio e Madri.

A realidade nua e crua é que nenhuma cidade brasileira tem condições de sediar os Jogos Olímpicos. Sou carioca e considero o Rio de Janeiro um estado dotado de inegável beleza natural, mas isso não basta para ser a sede de um dos mais importantes eventos mundiais. A paisagem carioca não consegue esconder as mazelas da cidade, que continua sem mais linhas de metrô, sem novas avenidas, sem mais ônibus, ciclovias demolidas por falha de projeto, sem hospitais de qualidade, baía de Guanabara e lagoas continuam poluídas e inapropriadas para a prática de esportes. As gritantes distorções sociais, a falta de infraestrutura urbana elementar, a violência urbana, os maus-tratos ao meio ambiente, a inexistência de mentalidade olímpica e a experiência negativa do Pan-americano de 2007 são alguns fatores que deixam o Rio muito distante dos rigorosos quesitos impostos pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

Como um país que não investe em esporte e desqualifica seus atletas se empenhou veementemente  em conseguir vagas para sediar um grandioso evento?! Em se tratando de esportes, não temos o menor incentivo para nenhuma modalidade além do Futebol. É absurda a ideia (com segundas e terceiras intenções, hipócritas e corruptas por parte dos cartolas e políticos) de organizar os jogos olímpicos em terras brasileiras num momento tão delicado da política, e economia em frangalhos. Definitivamente, o Brasil ganhará mais “migalhas” do que “medalhas.

Enquanto o Brasil não for, a exemplo das demais candidatas, medalha de ouro em saúde, educação, transporte, moradia, meio ambiente, segurança, alimentação, luz elétrica e esportes para todos, gastar tanto dinheiro em Jogos Olímpicos seria um ato de violência contra o povo mais pobre.

. Antes de construir “elefantes brancos”, o país precisa melhorar seus índices sociais. É claro que toda estrutura, após os jogos, virarão poeira! Essa ideia de que os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro transformarão o Brasil em potência é equivocada. O caminho é justamente o inverso. Temos que, antes, ser socialmente grandes e justos para só então pensar em Olimpíadas

A ÚLTIMA coisa que o Brasil precisa no momento, é ser sede de jogos olímpicos.

“NÓS PRIMEIRO DEPOIS FESTA PARA ESTRANGEIRO”.

Para analisar o que pensam os políticos, pincei alguns trechos de uma entrevista com o ministro dos esportes Orlando Silva, extraído da Revista IstoÉ  e reproduzido sem nenhuma modificação:

Para o ministro dos Esportes, o desafio é convencer o mundo de que fazer uma Olimpíada no Brasil é ousado, mas seguro. Em Pequim desde a véspera da abertura dos Jogos Olímpicos, o ministro dos Esportes, Orlando Silva, entrou firme na disputa pela realização da Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. Na China, ele busca marcar pontos importantes na briga contra Madri (Espanha), Chicago (EUA) e Tóquio (Japão), as cidades adversárias, e fez da Casa Brasil – representação do País em um hotel de luxo – o quartel-general da campanha. “Nosso espaço tem sido mais visitado do que os dos concorrentes”, comemora o ministro.

ISTOÉ – Qual é o valor dos investimentos que o Brasil precisa fazer para sediar uma Olimpíada?

Silva – Prefiro não falar em nenhum número agora.

ISTOÉ – Por quê?

Silva – Se eu falar em números agora, vocês publicam e daqui a cinco anos, se esse número não for o mesmo, dirão que houve superfaturamento, ou agora ou lá na frente.

ISTOÉ – O Brasil tem dinheiro para isso?

Silva – Claro que tem. Vamos fazer investimentos que mais cedo ou mais tarde teriam que ser feitos. Temos de montar um modelo que permita que o Estado invista e que o setor privado também invista. O problema é de prioridade.

ISTOÉ – Para fazer o que fez, a China alterou prioridades, paralisou projetos e obras e retirou dinheiro de várias áreas para concentrar tudo nos Jogos Olímpicos. Em um regime democrático, com um Congresso atuante, isso é possível?

Silva – Creio que sim. No Brasil temos uma união muito grande em torno desse projeto. O prefeito da cidade do Rio de Janeiro (Cesar Maia), que é do DEM, pode não morrer de amores por mim, que sou do PCdoB. Entretanto, nos afinamos muito com respeito à candidatura. Temos conversado muito com empresários e eles vêem na Olimpíada a chance de o Rio recuperar um protagonismo no País, buscar sua vocação de cidade internacional. Há um sentimento muito forte para isso. Veja que São Paulo, daqui a pouco, terá o dobro de leitos de hotéis do Rio de Janeiro. Isso é inimaginável.

ISTOÉ – O que mais o surpreendeu em Pequim?

Silva – Tudo é muito eficiente e os serviços funcionam. Mas, como diz o presidente Lula, nada que não possamos fazer.

E como disse o presidente de Israel em uma época dessas: “Israel é uma pais pobre com um povo rico”

Complemento: “E o Brasil é um país rico com um povo pobre”.

Ana Karina Paganini

Blog: “Amora não é framboesa”

Read more:

http://www.ebc.com.br/noticias/2015/08/movimentos-sociais-lancam-campanha-de-protesto-contra-olimpiadas-de-2016

Olimpíada de 2016 no Brasil. A favor ou contra?

http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/eu-sou-contra-as-olimpiadas-no-brasil/34416/

http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI111933-17774,00-OLIMPIADAS+POR+FAVOR+NO+BRASIL+NAO.html

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150803_olimpiada_ru